domingo, 1 de abril de 2012

O Cordão da Mentira


Era meu aniversário: 31 de março de 1964 - Nova Iguaçu - RJ.

Meu pai, que sempre lutou com dificuldade, ofereceu-me um bolo, refrigerantes e doces, sacrificando seu apertado orçamento.

À tarde, a mesa já estava posta e aguardávamos os convidados quando o exército ocupou a estação ferroviária, perto de casa. Corriam boatos. A Vila Militar estaria sendo atacada. O rádio silenciou, foi tomado pelos golpistas e se ouviam apenas discursos inflamados contra os "comunistas" que queriam tomar o Brasil.

Mas eu era apenas um garoto de 12 anos que queria comemorar o aniversário. Ninguém a não ser o meu tio, que morava do outro lado da estação ferroviária compareceu rapidamente, pois havia o toque de recolher. O exército ocupava a estação. Não haviam ônibus nem trem.

Me lembro de ouvir Carlos Lacerda reverberando contra o governo. Mais tarde também ele seria caçado e faria parte da "Frente Ampla".

Todos esperavam a guerra civil e o desembarque de tropas soviéticas e americanas. Não houve desembarque das tropas soviéticas e os americanos há muito haviam desembarcado, comandando de loge a reação contra um governo democrático.

Mas eu não tinha nada a ver com isto. Era apenas um garoto triste por não ter podido comemorar com parentes e amigos meu aniversário. Talvez por isso seja hoje um ardoroso defensor da democracia.

Há mais de 40 anos moro em São Paulo. Se pudesse iria hoje às 11 horas e 30 minutos ao Cemitério da Consolação, participar da marcha pacífica denominada "o Cordão da Mentira", que ocorrerá em São Paulo em protesto contra os apoiadores do golpe militar que, naquele dia, acabou com a minha festa de aniversário e que passará por locais simbólicos, como a Rua Maria Antônia, onde houve o confronto entre esudantes do Makenzie e da USP, pela sede da TFP, que colaborou com o golpe (hoje apoia Serra), passará pelo Elavdo Costa e Siva, que leva o nome de quem editou o AI5, passará pela Barão de Limeira, onde fica a Folha de São Paulo, um dos mais ardorosos defensores da ditadura,passará pela cracolândia e Luz, esteio da continuidade da repressão pós-ditadura, terminando o cortejo bem humorado e pacífico, na antiga sede do DOPS.

Golpe nunca mais! Quem puder compareça.

3 comentários:

  1. Com cerca de 300 pessoas o "Cordão da Mentira" percorreu as ruas de São Paulo sem maiores incidentes e quase sem cobertura pela mídia, como era de se esperar.
    O portal Terra noticiou. Veja em http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI5697060-EI7896,00-SP+Cordao+da+Mentira+relembra+os+anos+do+golpe+militar+de.html

    ResponderExcluir
  2. Oi Erick,
    Temos trajetória semelhantes.
    Eu também era apenas uma menininha...
    Se eu estivesse em Sampa, com certeza terio ido.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu infelizmente não pude ir... Lamentável.

      Excluir